28 de set de 2016

Passeata dos Estivadores de Santos


Estiva, contra o extermínio da categoria...
Lutando pela pauta de reivindicações, de AVULSOS e VINCULADOS.
A concentração foi na rua dos estivadores no bairro do Paquetá dela  saíram  com faixas e ao som do foguetório do sindicato e seguiram pela  ruas João Pessoa cortando o Centro da cidade homens mulheres e crianças a PE, de bicicleta , moto e carro e seguiram ate   o terminal BTP, no Valongo, para uma assembléia .
Em greve há nove dias,  ate chegar ao terminal os estivadores  cortaram  o silêncio de uma monótona  tarde do centro comercial santista  das janelas e das calçadas fotos filmagens e selfis  de apoio ao protesto que  luta contra a redução de dinheiro em circulação na cidade portuária , carros e motos buzinando oradores se revezando junto ao carro de som ,os estivadores deixaram uma faixa da rua para a circulação dos motoristas  pelas ruas do Centro de Santos. Claro não posso esquecer de salientar a presença dos Consertadores,Guindasteiros , Vigias e Trabalhadores do Bloco carregando faixas

Na comissão de frente um grupo  em homenagem ao dia de Cosme e Damião distribuindo doces para os munícipes.  Uma breve para na Porta do jornal a tribuna para aos gritos “Estiva unida jamais será vencida “ o que se repetiu na praça dos Andradas em frente a Sopesp .Escoltados de perto pela Pm e pela Cet  mas foram os estivadores que conduziram o transito durante todo evento , abrindo uma avenida para a ambulância .
De La seguiram  cortando a entrada da cidade num formigueira  alaranjado subindo o elefante branco  ombro a ombro estivadores de ontem e de hoje a te o viaduto da alemoa  e no retão com o mesmo nome , ate o finalizar desta frutifica caminhada .

No quintal do terminal da Btp onde realizaram uma assembléia  onde se discutiu sobre a luta e o respeito com os envolvidos .
Para o presidente do Sindicato dos Estivadores de Santos, Sindicato dos Estivadores de Santos, Rodnei Oliveira, Nei da Estiva, o objetivo da passeata foi mostrar que o direito da categoria está em jogo. "Querem passar por cima de nossas direitos e queremos mostrar que estamos atentos e unidos". 
Para o Estivador Pingüim” Nos não queremos guerra com ninguém  nos só queremos nosso mercado de trabalho e que eles respeitem e a reivindicação dos trabalhos rebarbativos que tem neste terminal na peação que tem terno que tem que tirar reforço e a composição da  equipe sem castanha automática .”
Os estivadores estão de  braços cruzados em três terminais de contêineres - BTP, Santos Brasil e Libra  pelas mesmas não estarem cumprindo o acertado , pois não pode haver navio sem avulso , ou melhor equipamento de embarque ou descarga de contêiner sem trabalhador avulso .
As percepções, sobre os impactos nas relações sociais vividas  no porto de Santos em melhor no seu interior. 
Os primeiros resultados apontam para elevado grau de isolacionismo, temor pelo futuro do emprego e ausência de programas de ressocialização.
Tudo gerado pelo livre mercado ou pela megalomania dos especialistas portuários
A história dos estivadores de Santos, no plano político, e marcada pelas lutas que se tornaram emblemáticas. O enfrentamento à poderosa Companhia Docas de Santos pelo reconhecimento dos seus direitos contra a opressão e repressão, desde os anos 1930 e como a partir daí democratizaram o processo de trabalho através da distribuição igualitária da mão-de-obra nos serviços . A elevada intensidade e a complexidade operacional, impõem a esses trabalhadores  pensar e agir.  
Mas esta historia não começou em 2013 .uma breve lembrança .
Em 23/3/1983 notas publicadas nos jornais “A tribuna”, “Cidade de Santos” em Santos e “O Estado de São Paulo” em São Paulo, decorrentes do ultimo encontro Regional da IndústriaSantos, realizado no Holliday In, informavam sobre a palestra proferida pelo presidente da Codesp, Dr. Sergio da Costa Matte cujo conteúdo refletia, segundo os trabalhadores do porto “[...] uma campanha organizada que procurava difundir a unificação das categorias e a criação de terminais privativos no porto, realizando estudos visando afastar os avulsos dos terminais dos portos nacionais”.
E Fecho com um depoimento de um  santista  que estava a passar.

“ Ta de parabéns os estivadores , se eles não lutarem  não só suas famílias vão sentir , como uma grande parcela de outras familias que depende desta renda que circula na cidade, pois com 1.100 nesta cidade somente sobrevive .”H.P.S Mecanico.