18 de jan de 2018

Redução de emissões de poluentes

Porto de Rotterdam lança plano de corte de emissões poluentes e aposta no ‘bunkering’ de GNL

Ano novo mas continua  a mesma luta: o Porto de Rotterdam abordará 2018 com reforçada ambição ambiental, traduzida em novas metas de redução de emissões poluentes e da mitigação dos efeitos da poluição do shipping no futuro. Para tal, o porto traçou o plano ‘Clean Shipping Vision‘ para 2030, que contém metas de sustentabilidade, entre as mais clara está a redução em 50% das emissões dos navios  ancorados no porto.


‘Clean Shipping Vision‘ inicia já em 2018 com vista a tornar o porto em 2030 sustentável
Para além desta ambiciosa redução, o porto – líder europeu e símbolo de produtividade – planeja também reduzir as emissões dos próprios navios e de todos aqueles que estão associados às atividade portuárias (carregamento e descarregamento). Outro dos objetivos patente no documento ‘Clean Shipping Vision‘ é a diminuição do ruído e da poluição sonora – para praticamente zero – causada pela utilização de geradores a diesel nos atracadouros públicos.

Tendo como ponto de partida de análise o ano de 2018, o Porto de Rotterdam pretende operar reduções dos níveis dos óxidos de nitrogénio (NOx), óxidos de enxofre (SOx) e de emissões de partículas em cerca de 50% no que toca aos navios  ancorados, almejando obter resultados ainda mais convincentes em 2030, data que marcará o final – e respectivo balanço – do programa ‘Clean Shipping Vision‘. A autoridade portuária pressupõe que, em 2030, todos os navios que chegarem ou abandonarem o porto terão desempenhos sustentáveis similares aos navios mais ecológicos da atualidade.

Programa «essencial» para a «sustentabilidade da cadeia logística» e futuro da região
«O programa ‘Clean Shipping Vision‘ é essencial para manter nossa licença para operar e a nossa licença para crescer. Permite-nos contribuir para a melhoria da sustentabilidade da comunidade onde estamos instalados  para a viabilização do futuro da nossa cidade, do nosso porto e da nossa região, para as gerações atuais e futuras, comentou Marleen van de Kerkhof, membro da capitania do Porto de Rotterdam, na sequência da divulgação do programa.

GNL ganha preponderância: Rotterdam aposta em plataforma flutuante de ‘bunkering‘
Para atingir os propósitos sublinhados por Marleen van de Kerkhof, o porto irá investir cerca de 10 milhões de euros até 2021 com o intuito de melhorar as suas infra-estruturas – entre as quais estarão infra-estruturas ligadas ao ‘bunkering‘ de GNL e ao fornecimento de energia ‘ship-to-shore‘ . Além disso, o programa de incentivo à prática sustentável no shipping será estendido aos navios movidos a GNL, que passarão a gozar de descontos em tarifas portuárias.

Neste contexto foi já dado um grande passo adiante, como informou a administração do porto: Rotterdam firmou com a empresa Titan LNG um contrato com vista à instalação de uma plataforma flutuante de ‘bunkering‘. Os navios de cruzeiros e outros de menores dimensões poderão beneficiar desta nova aquisição já em 2019; o pontão terá a capacidade de providenciar GNL a uma distância de 30 a 600 metros cúbicos por hora e possuirá dois tanques de 380 metros cúbicos, informou o porto.

fonte https://revistacargo.pt/roterdao-corte-de-emissoes-gnl/