24 de jul de 2017

Práticos Argentinos Cruzam os braços

Práticos cruzam os braços  contra as autoridades de Portos e Hidrovias Argentinas e param por 48 horas
Prático disse o suficiente e pediu uma paralisação para protestar contra as "ameaças e espremer" que recebem do Governo, nomeadamente,subsecretario de Puertos y vias navegables, Jorge Metz, e o diretor nacional de Transporte Fluvial y maritimo , Gustavo Deleersnyder.

"O tempo demonstrou que não temos parceiros oficiais válidos", dizem os práticos, que são submetidos "a pressão que a cada dia se tornam mais violenta" em um comunicado divulgado pela Asociación Civil de práticos Republica Argentina  .

"Temos de parar e refletir máquinas", acrescentam, depois de convocar o "2º Encontro Nacional de práticos e práticos", que terá a duração de 48 horas na quinta-feira às 00h00 e 24 na sexta-feira.

Os dias de "treinamento e reflexão" é a justificativa da ação direta: há serviços de praticagem em todo o país, exceto para transporte de gás e navios petroleiros, enquanto guardas de segurança será garantida.

navios porta-conteineres que entram ou saem de  Puerto Nuevo e Dock Sud serão afetados e aqueles que estão a navegar no rio Paraná, durante o período da greve, permanecerá fundeado.

De acordo com Oscar Leguizamón, presidente da Associação, há um "avançado governo muito forte, desinformar e evitando a questão técnica da nossa profissão."

Leguizamon argumenta que desde que o Governo prontamente da autoridade de execução (Subsecretaria de Portos e Hidrovias) "atacar nossa profissão." "O preço do nosso serviço é a segurança da navegação", acrescentou.
"Nós ameaçar que irá remover a licença", disse ele, e apontou contra diretor Deleersnyder denunciada pelo Escritório de Administratrivas pesquisa. "É prático, como nós, e tentar nos dividir, chamando um por um para reduzir a taxa, com ameaças de todos os tipos."

Prática também rejeitou as recomendações da Comissão Nacional de Defesa da Concorrência (CNDC) realizou o Metz subsecretário, "porque está cheio de falsidades". Na verdade, eles recusam recomendações.

"Com estas autoridades não podemos falar. Eles são arrogantes e não são interlocutores válidos. Eles fazem mentiras e ameaça numa forma de comunicação. O diálogo está quebrado. Nós não reconhecemos mais como parceiros. Queremos uma mudança de parceiros ", acrescentou outra prática  recorrente.

"Se o ministro (Transportes, Guillermo Dietrich) quer que você saiba o que acontece, temos de olhar para outros funcionários que sejam razoáveis ​​e não mentem", disse ele.

http://trade-radio.fm/los-practicos-se-plantan-contra-las-autoridades-de-puertos-y-vias-navegables-y-paran-por-48-horas/