2 de dez de 2016

Convocação de Estivadores de Le Havre gera paralisação


   Estivadores e agentes portuários do porto de Le Havre estão em greve,em  25 de novembro de 2016, em apoio aos dois trabalhadores portuários convocados para o tribunal em Paris  em ação contra violência.
Uma nova greve foi lançado no porto de Le Havre. 
A Federação Nacional de portos e docas em solidariedade a dois estivadores de Le Havre, chamado ao Tribunal Penal, de Paris  , por atos de violência cometidos durante uma manifestação contra a precarização e perdas trabalhistas em Paris. Eles foram presos pelas forças de segurança, no dia , 31de agosto 2016, durante uma visita do chefe da CGT, Philippe Martinez, no Ocean City,na parte da manhã, sob suspeita de violência contra um oficial da polícia e  de jogar artifícios pirotécnicos . Por atos cometidos durante a manifestação contra a nova  lei trabalhista de 14 de Junho, em Paris. Um deles, de 26 anos, já havia ocorrido sua audiência em 27 de julho de 2016 e havia sido parcialmente absolvida pela câmara do Tribunal Penal de Paris, por lançar projéteis ,mas foram libertados depois de um dia sob custódia em Paris.
"É escandaloso"
O protesto, dos trabalhadores portuários de Le Havre tinha bloqueado durante todo o dia o segundo porto francês somente cruzando os braços . Assim que a notícia da prisão tornou-se conhecida, estivadores e trabalhadores portuários pararam totalmente a atividade do porto.
 Ate o ultimo minuto. Atividade pegou, pois passou a se protestar contra a prisão dos dois trabalhadores portuários ambos os estivadores 'foram liberados as19:15 e após serem vistos e cumprimentados pelos colegas e que as operações voltaram ao normal. Ambos os estivadores compareceram no dia 25 de novembro, diante do tribunal de Paris, tanto para  CGT quanto para o  sindicato dos estivadores uma provocação, que ocorre no dia da vinda do seu secretário-geral, Philippe Martinez, na cidade portuária.
Os navios de contêiner  no porto deixaram de ser carregado ou descarregado,os que estavam para partir ali permaneceram e aqueles estavam a caminho foram desviados para outros portos, a documentação deu pau os conteineres não foram ovados ou desovados a única coisa que se movimentou no porto foi a fumaça. Além das interrupções de trabalho, os trabalhadores portuários estavam queimando pneus em diferentes partes da cidade, inclusive em frente à sede da autoridade portuária Le Havre (GPMH).

Mais quando a notícia das prisões se espalhou: o bloqueio total da atividade portuária ocorreu em todos os portos franceses.
E novas ações de bloqueio  e paralisações  foram acordadas na reunião de sindicato local e confirmado na reunião geral.
Uma única palavra de ordem: Não a revogação de direitos trabalhistas. A legislação laboral não deve vir  a diminuir os direitos dos trabalhadores. Continuamos determinados .
Estivadores em  Paris
Uma delegação com 200 estivadores do porto de Le Havre viajou para Paris, em apoio das seus colegas, acompanhados por delegações sindicais de outras cidades  portuárias da França. Mobilização contra a "repressão sindical" que os delegados e sindicalistas denunciaram durante vários meses, devido em especial ao movimento social contra os direitos trabalhistas.


fonte http://www.normandie-actu.fr/deux-dockers-havre-convoques-tribunal-nouvelle-greve-port_244442/
imagem normandie-actu