30 de set de 2017

Os Despedimentos imaturos portuários

A base de Nápoles e seu porto certamente está dentro da colonização grega; no século 9. A.C. em 475 d.C. os habitantes de Cuma encontraram Neapolis ,foi base militar grego-romana, ,sob o domínio normando  em 1164 tornou-se uma das "Cidades Anseáticas". Em 1200,  sob o reinado de Carlos I de Anjou, o porto se expandiu,sua fortificação e a construção de armazéns, s e fábricas continuaram sob a dominação aragonesa (1400) e no período do vice-rei espanhol.
No Reino de Bourbon (1700)  o porto tornar-se um dos mais equipados, o mais forte a nível europeu e a cidade se tornar uma das grandes capitais europeias junto com Paris e Londres. Em 1818, no dia 27 de setembro, foi lançado o "Real Ferdiando I", o primeiro navio a vapor do Mediterrâneo.
Foi o  porto de conexão com as possessões coloniais e após a Segunda Guerra Mundial,  tornou-se o teatro do êxodo de milhares de italianos que iam em busca de  uma vida de respeito e sociabilidade  na América. 
De um mal semelhante sofre hoje o trabalhador portuário que vem da teoria nefasta da Austeridade num teatro macabro de precarização . 
Uma série de redundâncias nos consórcios Conateco consorcio napoletano terminal de conteiners ,criado em 1995 e controlado pela dalla Marinvest srl , possui 4 super post panamax ,2 post panamax ,1 Mobile crane MHC  de  100T e 1 para 120 Tons .

A Conateco e Soteco, que lidam com o operação portuária de contêineres , colocaram os trabalhadores em pé da guerra.
Em 2016 o porto movimentou 483.481 Teus 
Durante vários dias, com uma estadia noturna no armazém Conateco em Varco Sant'Erasmo, no porto da capital da Campanhia, um grupo de trabalhadores organizou um protesto para a primeira audiência no processo contra as  demissões  coletivas que ocorrerá em 27 de setembro . Os mesmos manifestantes que, além de solicitar a reintegração das demissões, também relatam falhas nas medidas de segurança causadas pelo corte de pessoal.

"Todos os despedimentos imaturos que escondem a vontade da empresa para reduzir o pessoal. Uma situação que tem acontecido há anos ", dizem os trabalhadores.
O que mais nos parece uma campanha mundial onde o empresario pede para seu trabalhador fazer sacrifício para se alcançar o lucro desejado ,nessa teoria estaremos fadado ao retorno da era do salario de casa e comida .Com a nomenclatura de colaboradores .

Nenhum comentário:

Postar um comentário