3 de out de 2017

educação interprofissional

Marco para Ação em Educação Interprofissional e Prática Colaborativa
O caso para educação interprofissional e prática colaborativa para a saúde mundial
O Marco para Ação em Educação Interprofissional e Prática Colaborativa reconhece que muitos sistemas de saúde no mundo estão fragmentados e com dificuldades para gerenciar as necessidades de saúde não atendidas. A força de trabalho de saúde atual e futura é desafiada a prestar serviços de saúde frente a problemas de saúde cada vez mais complexos.
 Evidências mostram que, conforme esses profissionais de saúde percorrem o sistema, oportunidades para eles adquirirem experiência interpofissional os ajudam a aprender as habilidades necessárias para se tornarem parte da força de trabalho de saúde colaborativa preparada para a prática. 
Uma força de trabalho colaborativa preparada para a prática é uma maneira específica de descrever os profissionais de saúde que tenham recebido treinamento eficaz sobre educação interprofissional.
 A educação interprofissional ocorre quando estudantes de duas ou mais profissões aprendem sobre os outros, com os outros e entre si para possibilitar a efetiva colaboração e melhorar os resultados na saúde. Ao entender como trabalhar de forma interprofissional, os estudantes estão prontos para entrar no local de trabalho como membro da equipe de prática colaborativa. 
Trata-se de um passo fundamental na transição de sistemas de saúde fragmentados para uma posição mais fortalecida. As equipes de assistência de saúde interprofissional compreendem como otimizar as habilidades de seus membros, compartilhar o gerenciamento de casos e prestar serviços de saúde de melhor qualidade a pacientes e à comunidade. Os sistemas de saúde fortalecidos levam à melhores resultados na saúde. Os avanços com a saúde integrada e políticas de educação Os sistemas de saúde e educação devem trabalhar em conjunto para coordenar as estratégias para a força de trabalho de saúde. Se o planejamento da força de trabalho de saúde e a elaboração de políticas estão integrados, a educação interprofissional e a prática colaborativa podem ser plenamente sustentadas.
 Diversos mecanismos determinam como a educação interprofissional é desenvolvida e oferecida. Neste Marco exemplos de alguns desses mecanismos foram divididos em dois temas:
 mecanismos do educador (exemplo: capacitação dos profissionais acadêmicos, líderes, apoio institucional, compromisso gerencial, resultados de aprendizado) e mecanismos curriculares (exemplo: logística e cronograma, conteúdo programático, presença obrigatória, objetivos compartilhados, princípios de aprendizado para adultos, aprendizado contextual, avaliação).
 Ao considerar esses mecanismos no contexto local, os formuladores de políticas podem determinar quais ações associadas levariam à educação interprofissional mais forte em suas jurisdições
. Da mesma forma, existem mecanismos que determinam como a prática colaborativa é implementada e executada. Exemplos desses mecanismos foram divididos em três temas: mecanismos de apoio institucional (exemplo: modelos de governança, protocolos estruturados, recursos operacionais compartilhados, políticas de pessoal, práticas gerenciais de apoio); mecanismos de cultura de trabalho (exemplo: estratégias de comunicação, políticas para resolução de conflitos, processos para tomada de decisões compartilhada) e mecanismos de ambiente (exemplo: ambiente construído,instalações, projeto do espaço).
 Assim que a força de trabalho de saúde preparada para a prática colaborativa estiver implementada, esses mecanismos os auxiliarão a determinar as ações que poderão ser tomadas para apoiar a prática colaborativa. Os sistemas de educação e saúde também apresentam mecanismos através dos quais os serviços de saúde são prestados e os pacientes protegidos. Este Marco identifica exemplos de mecanismos de prestação de serviços de saúde (exemplo: planejamento de capital, modelos de remuneração, financiamento, comissionamento, fluxos de subsídios) e mecanismos de segurança do paciente (exemplo: gerenciamento de riscos, acreditação, regulamentação, registro profissional).
Chamada para a ação
 É importante que os formuladores de políticas analisem este Marco do ponto de vista global. 
Cada sistema de saúde é diferente e deverão ser implementadas novas políticas e estratégias que sejam adequadas e abordem os desafios e necessidades locais. Este Marco não tem o propósito de ser prescritivo nem de fornecer uma lista de recomendações ou ações necessárias. 
Tem como objetivo apresentar aos formuladores de políticas ideias sobre como contextualizar o sistema de saúde existente, se comprometer em implementar os princípios da educação interprofissional e da prática colaborativa, e de promover os benefícios da colaboração interprofissional com seus parceiros regionais, educadores e profissionais de saúde. 
A educação interprofissional e a prática colaborativa podem desempenhar um papel importante na redução de muitos desafios enfrentados pelos sistemas de saúde no mundo. Os itens para a ação identificados neste Marco podem ajudar as localidades e regiões a avançarem em direção a sistemas de saúde fortalecidos e, por fim, à melhoria de resultados na saúde. Este Marco é uma chamada para a ação dos formuladores de políticas, responsáveis pelas decisões, educadores, profissionais de saúde, líderes comunitários e defensores mundiais da saúde, para que tomem atitudes e caminhem em direção à incorporação da educação interprofissional e prática colaborativa em todos os serviços que prestarem.
O programa da faculdade de desenvolvimento da educação interprofissional foi uma experiência enriquecedora (mente e alma) para que eu interagisse com outros profissionais de várias áreas da saúde... uma oportunidade de troca com pessoas com a mente parecida em outras profissões que valorizam a educação interprofissional e são comprometidas em implementá-la. – Educador

Nenhum comentário:

Postar um comentário